quinta-feira, 5 de outubro de 2017

ainda Amarante

ainda amarante
Depois do almoço, um passeio à beira do rio - a despedida
 
No regresso a casa, um pequeno desvio
Igreja de Marco de Canaveses do arq. Álvaro Siza
 
 

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Alentejo e Espanha_parte I

O passado fim-de-semana, foi dedicado ao Alentejo e Espanha.
 
A 1ª paragem foi o Centro de Ciência do Café na Delta - Campo Maior. Quando esperávamos pela visita guiada, aproveitei para fazer um desenho rápido da Adega Mayor (a visita que se segue). Enquanto desenhava, apareceu o Comendador, ou melhor o Sr. Rui Nabeiro, como é carinhosamente tratado pelos funcionários. Para além de ver o desenho, ainda me presentou com uma dedicatória.
 


Depois do almoço, a visita guiada à Adega Mayor - ficam os registos da aproximação.


Já no "interior".
 
No magnífico terraço, depois de contemplar a paisagem, mais um rabisco do complexo da Delta.
 
 


Ao final da tarde, rumámos a Mérida.


terça-feira, 26 de setembro de 2017

A)Riscar, o meu contributo

Por norma, quando organizo, não desenho. Mas este ano, apesar de ter sido aquele que mais logística exigiu, decidi quebrar a regra - desenhei.
Tudo tem um início, por isso deixo aqui o desenho que fiz para a imagem de divulgação do evento - o moinho que pertence à Quinta da Folgorosa.
 
Nesta edição, decidi que tinha de desenhar, nem que fossem registos muito rápidos, como os que se seguem, pois o tempo era/foi escasso. (as manchas foram dadas em casa)
Enquanto todos se instalavam no interior da Quinta, tive de sair para orientar a saída do autocarro. Eis que me deparo com este enquadramento da Quinta.
 
 
À sombra, "apanhei" a Adega e fui apanhado pela Lurdes Morais - apareço num desenho dela, como que a registar o momento.
 
 
Ao final do dia, em jeito de brinde ao sucesso do evento. O Santuário Nossa Senhora dos Milagres, a saborear as vistas e a brisa que corria no rosto.
 
 
Fecho com o meu preferido - Adega da Quinta da Folgorosa - um desenho com aroma a vinho.
Este ficou com o eng José Melícias, para agradecer a forma calorosa com que nos recebeu.
Caneta de aparo. A mancha foi feita com o líquido daquele que será o próximo néctar dos deuses da Folgorosa. Ainda está a fermentar. Daqui a uns meses estará nas vossas mesas.
 
Mais uma vez, muito obrigado a todos aqueles que tornaram este dia inesquecível.
 
 

domingo, 24 de setembro de 2017

(a)riscar o Património em Torres Vedras

A manhã foi dedicada à Quinta da Folgorosa, onde os participantes foram recebidos de forma calorosa pelo engº José Melícias. Depois do enquadramento histórico sobre a quinta e o território onde se encontra implantada, seguiram-se os desenhos. Antes da habitual partilha de desenhos, os participantes foram recebidos pelo Vereador Bruno Ferreira e pelo Presidente da União de Freguesias Dois Portos e Runa, João Tomás, que destacaram a importância deste projecto na promoção e valorização do património cultural de Torres Vedras, aproveitando também, para agradecer a participação de todos. Antes da despedida, deu-se a prova de vinhos produzidos pela Quinta da Folgorosa.

 
Depois de um excelente almoço no Centro de Dia da Buligueira, os participantes seguiram rumo ao Santuário de Nossa Senhora dos Milagres, uma peça arquitectónica de uma beleza única e em simbiose com a paisagem natural. No topo, os observadores são surpreendidos pela beleza de uma vista panorâmica repleta de vinhas e serras, das quais se destacam Socorro e Montejunto. Depois da difícil escolha do enquadramento ideal, segue-se uma tarde repleta de desenhos e de momentos de partilha. Antes da despedida, os desenhadores foram surpreendidos com um magnífico lanche composto por bolos tradicionais confecionados pela Comissão de Festas do Santuário dos Milagres. Pelo sucesso da iniciativa, arriscamo-nos a dizer "até para o ano". Obrigado a todos os participantes que nestes 4 anos de (a)riscar, têm escolhido Torres Vedras para desenhar, mas sobretudo para usufruir o que temos para oferecer.
 
Como em tudo, o sucesso não é obra do acaso, mas sim do trabalho e por essa razão, fica um agradecimento a todos os parceiros operacionais, à Quinta da Folgorosa, à pessoa do engº José Melícias, pela experiência vinícola, à Associação de Socorros da Buligueira, pelo almoço, à União de Freguesias de Dois Portos e Runa (João Tomás e Ana Brandão) que estiveram com os participantes desde o primeiro, ao último momento do evento.
 
 
 

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Bombarral - Casa Abel Pereira da Fonseca

No passado domingo (re)descobri a casa daquele que foi o maior industrial do vinho do séc. XX - Abel pereira da Fonseca. Fica no Bombarral, na Quinta das Cerejeiras. Data de 1916 e é da autoria do arquitecto Norte Júnior,  que também desenhou os armazéns Abel Pereira da Fonseca - Poço do Bispo.

Para além da casa, existem armazéns vitivinícolas e uma capela que merecem ser desenhados, assim com a estação de Comboio que é "já ali"... Fica o desafio aos Oeste Sketchers para marcarem aqui um encontro....

sábado, 16 de setembro de 2017

Desenhar com Helena Monteiro

16-09-2017
 
Amiga Helena, teremos oportunidade de falar pessoalmente sobre o quão enriquecedora foi esta tarde. No entanto, não posso deixar aqui os meus parabéns e o meu agradecimento, sobretudo pelo exemplo a seguir.
 
 
 
 

 
 
Uma foto que não venderia por nada.



Obrigado!

Desenhar com Helena Monteiro - Carmo

O MAC foi invadido, por urban sketchers e por extraterrestres.
 
16.09.2017, dia de desenhar com Helena Monteiro
 
15h - Lá estava ela à nossa espera, com o sorriso que a caracteriza e aquele brilho nos olhos de felicidade que ia aumentando à medida que a sala se ia enchendo. Através dos desenhos, leva-nos a conhecer as suas raízes e a forma como se cruzou com os diários gráficos. Falou-nos ainda da sua grande paixão (incutida pelo pai) - viajar.
 
A relação com os cadernos começou com a escrita, não fosse essa a sua área de formação e outra das suas paixões. Falando de paixões, é impossível deixar de lado as suas eternas confidentes - as árvores. 
 
Foi em França que descobriu o desenho, mas é cá que o pratica em grande força, todos os dias e grande parte desses dias com a sua amiga e companheira do risco - Rosário Félix. 
 
Para além da Rosário, fez questão de agradecer aos "três culpados" por esta paixão de desenhar - Eduardo Salavisa, José Louro e Pedro Cabral. É compreensível, a esmagadora maioria dos urban sketchers deve sentir o mesmo...
 
Quanto às palavras que me foram dirigidas, não me alongarei (conflito de interesses :-) ), fica apenas um sentido Obrigado.
 
Depois de viajarmos com a Helena, eis que nos é lançado o desafio - desenhem como se fossem extraterrestres.
 
Depois dos risos e do espanto, lá fomos nós. Os resultados falam por si.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Uma tarde em grande, que se deve à forma fantástica com que a Rita (obrigado) nos acolhe nesta casa, mas sobretudo à viagem que fizemos com "senhora das árvores", perdão, à Helena Monteiro.
 
Obrigado!